• LMF São Carlos

O que são NFTs?


Nyan Cat

O crescimento da popularidade do blockchain nos últimos anos, principalmente relacionado às moedas digitais, criou a base para que outros produtos que utilizam o mesmo tipo de tecnologia se tornassem populares. Os NFTs são um dos exemplos de ativos que utilizam a tecnologia de blockchain, porém ao contrário do Bitcoin que é para alguns o substituto digital da moeda, os NFTs estão sendo considerados como a resposta digital para ativos colecionáveis.

A sigla NFT significa non-fungible token, ou em português token não-fungível. Quando um produto deste é comprado, o proprietário recebe um código de computador que serve como autenticação de um arquivo, dando a garantia de que ele é único, e essa é a principal característica deste produto.

Um ativo fungível pode ser trocado por outros semelhantes e permanecer com o mesmo valor, como acontece com moedas, sendo possível trocar uma nota de cinquenta reais por dez notas de cinco reais sem alteração alguma em seu valor. Porém existem alguns produtos que não possuem tal característica, como é o caso de obras de arte. O Grito, de Edvard Munch, pode ser copiado e até mesmo adaptado em uma réplica, mas a pintura original do artista continua tendo o mesmo valor, ou seja, não é possível trocar o quadro por outro equivalente. Da mesma forma que marcas de luxo oferecem aos seus clientes cartões de autenticidade, os NFTs trazem às artes digitais (ou arquivos digitais de maneira geral) um aspecto de escassez e unicidade, aumentando, portanto, o seu valor agregado.

De maneira simplificada, os NFTs são negociados na plataforma Ethereum, que assim como o Bitcoin e Dogecoin utilizam blockchain, porém ao contrário dos dois últimos, o código usado na Ethereum também suporta o armazenamento de informações. E apesar de grande parte das notícias sobre NFTs terem como tema principal a compra e venda de obras digitais, um NFT pode ser qualquer coisa, desde um Van Gogh até um emoji.

Porque esse tipo de produto começou a ficar conhecido?

Em fevereiro de 2021 um meme que ficou bastante conhecido há alguns anos atrás, o Nyan Cat, foi vendido por 590 mil dólares. Mas ao pesquisar esse meme em qualquer ferramenta de pesquisa percebe-se que ele ainda existe e pode ser usado por qualquer pessoa que tenha acesso a internet, porém nenhum desses arquivos é o original.

Voltando a pensar na obra de Edvard Munch é possível afirmar que durante os anos de exposição milhares pessoas tiraram fotos, compraram cartões-postais com a figura da obra ou até mesmo pôsteres com O Grito. Mas se alguém comprasse a obra O Grito estaria comprando o quadro original pintado por Edvard Munch, que hoje é exposto na Galeria Nacional de Oslo.


Obra O Grito, de Edvard Munch

O comprador do meme Nyan Cat possui, portanto, o arquivo original criptografado com o código do NFT que garante a sua exclusividade. Apesar dessa compra ter aumentado bastante a visibilidade desse produto, foi em março de 2021 que os NFTs realmente tiveram a sua relevância aumentada, pois o artista Beeple, que até então só havia vendido obras de no máximo U$100, conseguiu vender uma colagem em forma de NFT por U$69 milhões, tornando-o um dos artistas vivos mais valiosos do mundo.


A Colagem “Everydays: The First 5000 days” de Beeple

Como comprar um NFT?

Os NFTs não podem ser adquiridos com uma simples transferência bancária, na verdade o uso do blockchain é o que garante a esse produto a sua característica não-fungível, pois com essa nova tecnologia é possível rastrear o envio e o recebimento das informações presentes no NFT, além de toda essa atividade ficar registrada em documentos que são comuns a todos aqueles que utilizam esse sistema.

Portanto, o blockchain impede que possíveis fraudes ocorram na negociação de produtos em forma de NFTs, ao garantir que os compradores realmente tenham em suas mãos os produtos que lhes foram prometidos. De posse desses ativos, um investidor pode comprar ou vender esse produto como qualquer outro, porém no caso dos NFTs não é possível ter acesso à sua forma física.

Porque alguém compraria um meme?

A dinâmica de compra e venda dos NFTs obedece a teoria de oferta e demanda, o fato de existirem poucos produtos e estes estarem sendo procurados por muitos aumenta exponencialmente o seu valor atribuído. Do lado dos artistas, essa é uma nova forma de apoiar o seu próprio trabalho, com a possibilidade de arrecadar capital com produtos que antes não teriam qualquer valor financeiro relevante. Para o colecionador a história é parecida, existe a convicção de que o novo ativo pode ter o seu valor de mercado aumentado, para que seja possível vender e obter um lucro da operação. Além de que, ter um NFT permite ao comprador o direito de usar o arquivo da forma que bem entender, apesar de o artista continuar possuindo alguns direitos.

Comprar algo que pode ser visto por qualquer um que tenha acesso a internet pode não fazer sentido, principalmente quando o potencial de cópia é muito alto, mas isso depende de qual é o valor atribuído a tais produtos. Algumas pessoas podem achar mais importante ver uma obra de arte original do que apenas ter uma cópia da mesma, e é isso que motiva os investidores em NFTs, não interessa ter uma imagem como o Nyan Cat, o importante é ter os direitos do arquivo original.

Os conceitos tradicionais de valor não podem ser aplicados diretamente aos produtos colecionáveis. Se por um lado produtos comuns são governados pelo conceito de utilidade e custo, os produtos de luxo podem ser entendidos como bens de Veblen, ou seja, quanto maior o seu valor maior é a demanda pelo mesmo, fazendo com que esses produtos sejam conhecidos como bens ostentatórios. A demanda por estes últimos está relacionada principalmente com o prestígio de ser ter um item, e no caso das obras digitais comercializadas em forma de NFTs isso é extremamente especulativo e está ligado à reputação do artista.

Não há dúvidas de que esses produtos dividem muito a opinião pública, muitos acreditam que os NFTs são o futuro, porém outros acham que é mais uma bolha se formando no mercado. E muitas vezes é difícil discordar dos pessimistas no assunto, recentemente um Youtuber vendeu uma NFT por U$20.000 de um vídeo que estava disponível no próprio YouTube, sendo possível que milhões de pessoas pudessem acessá-lo sem custo algum. Mas uma área em que NFTs estão se tornando bastante fortes é em jogos, muitos deles já permitem a compra e venda de itens raros e até mesmo pedaços de mapas por meio dessa plataforma.


Esse é o futuro da compra e venda de arte ou de qualquer outra coisa?

Apesar de ser considerado um sistema bastante seguro por conta do uso de blockchain é necessário comentar que já ocorreram roubos de moedas digitais no passado, e considerando que os NFTs utilizam essa tecnologia, isso diminui bastante a imagem segura que muitos colocam nesse novo tipo de produto, principalmente quando os valores de compra e venda estão cada vez mais altos. Apesar disso, a alternativa aos NFTs, que seriam os museus, também não podem ser considerados tão seguros quanto o Fort Knox (onde são armazenadas as reservas de ouro dos EUA).

Se a comercialização de ativos tão públicos, como memes, vai continuar sendo uma tendência no futuro é difícil de afirmar, mas é seguro dizer que a tecnologia por trás dos NFTs é bastante promissora para aplicações em diversos setores no mercado.






Autor: Gabriel Blanco de Paula | linkedin



Referências