• LMF São Carlos

Bolsonaro na ONU e suas consequências políticas


Presidente Bolsonaro durante o discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU [G1]

No dia 21 de setembro de 2021, o Presidente Jair Bolsonaro realizou a abertura da 76ª Assembleia Geral da ONU. Apesar de ser uma tradição o Brasil abrir as reuniões da ONU, é difícil negar a estranheza de um líder de governo não vacinado ter feito a abertura da sessão, cujo foco principal foi o andamento das resoluções globais da pandemia.


O presidente iniciou seu discurso reforçando e reafirmando seus ideais tão prezados por seus apoiadores. Realizando comentários, como de costume, sobre sua fé, seu respeito à família e à constituição. Além disso, disse que mostraria um Brasil diferente daquele representado pela imprensa, e que o país estava à beira do socialismo quando tomou posse do cargo presidencial.


A segunda parte do discurso do presidente foi politicamente mais amistoso. Bolsonaro cita os avanços da iniciativa privada no país, também comentando sobre a possibilidade do implemento de ferrovias no território nacional, buscando dessa forma demonstrar que o país encontra-se em um cenário propício a investimentos. Em seguida, o presidente entrou em pautas ambientais, trazendo dados distorcidos e controversos a respeito do desmatamento e da agropecuária no Brasil, sugerindo inclusive que a legislação ambiental brasileira deveria servir de exemplo para outros países.

Apesar de temas ambientais não terem sido tratados com seriedade pelo atual governo desde seu início, Bolsonaro buscou demonstrar uma preocupação a respeito de tais assuntos. Podendo indicar de certa forma um sentimento de enfraquecimento político, uma vez que o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não encontra-se mais no cargo presidencial, dificultando a busca por respaldo para os discursos do presidente brasileiro.


Jair e sua comitiva reconhecem a importância e a necessidade do investimento externo para o Brasil, e buscaram moldar um discurso politicamente mais aceitável mundialmente, contudo, o atual presidente parece não conseguir abandonar sua postura ideológica em suas falas. Bolsonaro aproveitou seu espaço de fala na ONU para criticar as medidas de isolamento social adotadas no Brasil por alguns governadores e prefeitos, alegando que tais medidas impactaram na alta da inflação mundialmente, principalmente no ramo alimentício, buscando eliminar qualquer parcela de culpa de seu governo.


Além disso, ao falar sobre vacinas, disse, controversamente, que seu governo sempre apoiou a vacinação, mas logo em seguida se diz contrário ao passaporte sanitário ou qualquer outra obrigação relacionada à vacina. Bolsonaro também voltou a defender o tratamento precoce contra a Covid-19, utilizando-se inclusive de seu exemplo pessoal para embasar-se. Disse também não entender porque muitos países e a mídia foram contrários a esse tratamento, utilizando-se da frase “a história e a ciência saberão responsabilizar a todos”, apesar de não existir nenhuma comprovação científica a respeito da eficácia do tratamento precoce contra o coronavírus.


Apesar de um discurso polêmico e controverso realizado pelo presidente, o mercado de ações brasileiro não foi afetado negativamente no dia 21 de setembro pelas falas de Bolsonaro, uma vez que o Ibovespa fechou o dia com uma leve alta. Contudo, é evidente o impacto negativo que o discurso traz para a imagem do Brasil, um país que atualmente é visto como instável, tanto politicamente quanto economicamente, dificultando ainda mais a atratividade de possíveis investimentos.




Autor: Iago Schreiner | linkedin




Referências


[1] Discurso Bolsonaro: https://www.youtube.com/watch?v=EmiKQDVtDds


[2] bbc.com


[3] g1.globo.com