• LMF São Carlos

A história da Vale, a maior empresa de mineração do Brasil


A Companhia Vale é uma das maiores mineradoras do mundo e foi formada em junho de 1942 a partir da incorporação de duas mineradoras: a Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia S. A. e a Itabira de Mineração S. A.


Logotipo da Vale [Reuters/G1]

No início da década de 1940 e com o início da Segunda Guerra mundial, as potências ocidentais buscavam alternativas para conseguirem matérias primas para abastecer sua indústria bélica naquele período. Este fato levou o governo brasileiro juntamente com os governos dos Estados Unidos e da Inglaterra a assinarem o acordo de Washington. A partir desse momento, fruto do empenho de Getúlio Vargas em criar uma indústria de base nacional, fundou-se o alicerce para a criação da empresa.


Com o fim da Guerra, a companhia foi seriamente afetada pela economia internacional, isso porque os acordos firmados com os Estados Unidos e a Inglaterra chegaram ao fim. Além disso, o preço do minério de ferro também permaneceu em patamares baixos durante o período, o que foi ainda mais difícil para o Brasil, em função dos altos custos do frete marítimo, mostrando que todos esses fatores contribuíram para que a década de 1940 fosse um desafio para a recém criada empresa.


A década de 1950 foi marcada pela entrada da companhia no mercado mundial de minério de ferro, e este foi um fato decisivo para que a Vale começasse a operar. Durante o período, a concorrência passou a ser cada vez mais acirrada no mercado internacional do ferro, considerando-se que nessa época já haviam novos países produtores e mais próximos dos principais centros consumidores da época, consequentemente, houve uma redução do preço final do minério devido ao barateamento do frete. Em busca de manter sua posição no mercado mundial a empresa precisou revisar sua política fiscal, que até aquele momento era baseada em acordos de curto prazo para buscar por contratos de longo prazo, os quais acabaram se tornando essenciais para sua expansão.


As duas décadas seguintes foram marcadas por uma maior diversificação nas atividades desenvolvidas pela empresa que construiu o Terminal Marítimo de Tubarão, porto próximo a cidade de Vitória (ES), e passou a investir em estudos de melhoramento dos minérios de ferro.


Durante muitos anos a Vale atuou apenas explorando jazidas de minério no estado de Minas Gerais, porém em 1967, um acontecimento inesperado e positivo para a companhia foi descobrir a maior jazida do mundo de minério de ferro, a jazida de Carajás, situada na região amazônica.


Mina na Serra dos Carajás [EXAME]

Posteriormente, durante o governo de Fernando Collor foi criado o Programa Nacional de Desestatização (PND), que teve por objetivo transferir a atividade exercida pelo setor público ao setor privado. Tal programa permitiu que mais tarde, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso fosse colocada em pauta a privatização da Vale, trabalho que ficou ao encargo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o responsável pelo gerenciamento da venda das empresas incluídas no PND. Vale ressaltar, que o processo de privatização da companhia foi marcado por um intenso debate e disputa política. Além disso, ações judiciais contra a privatização da empresa mostraram várias irregularidades durante o processo de venda da empresa, como por exemplo, a avaliação que definiu o preço mínimo de venda da companhia levando em consideração apenas o critério de fluxo de caixa, desconsiderando as reservas de ferro exploradas pela companhia.


A companhia acabou sendo leiloada no dia 6 de maio de 1997 por R$3,3 bilhões, no entanto, sabe-se que somente as reservas minerais da empresa possuíam valor calculado em mais de R$100 bilhões na época. Ademais, a Vale também tinha participação em 54 empresas coligadas, uma grande malha ferroviária, posses e reservas minerais que não foram avaliadas no edital de leilão da empresa.


Após a privatização foi implementado na companhia um modelo de gestão dividido em um Centro Corporativo e quatro áreas de negócio: Minério; Alumínio; Papel e Celulose. Além disso, a Vale também apresentou um grande crescimento de suas atividades entre os anos de 2000 e 2008, batendo recordes na produção de diversos minérios. O desempenho da empresa melhorou significativamente após a privatização, pois sua produtividade aumentou, e, por consequência, sua capacidade de gerar riqueza para o país também.


Atualmente, a companhia é a maior produtora mundial de minério de ferro, pelotas e níquel, além de atuar nas frentes de mineração, logística, energia e siderurgia. Por outro lado, a empresa hoje responde a diversos processos relacionados a desastres ambientais, como, por exemplo, o caso do rompimento das barragens de Brumadinho e Mariana e causou grande prejuízo ambiental e humano. Assim, a empresa enfrenta um grande desafio no que diz respeito aos critérios de sustentabilidade e meio ambiente. Buscando enfrentar esse desafio, a companhia investe em diversas iniciativas ambientais, sociais e de inovação para que a companhia possa incorporar sustentabilidade aos seus negócios.


Visão aérea da mina em Carajás [Shutterstock]


A Vale faz parte da história brasileira, a companhia é a maior exportadora do país e também é a mais valiosa empresa brasileira, a mais bem-sucedida no setor de produção industrial e dona da maior jazida de ferro do planeta, localizada na Serra de Carajás, no Pará, cujo estoque de minérios é suficiente para mais de 400 anos. Enfim, a Vale representa uma das mais valiosas companhias da América Latina.





Autora: Júlia Santana |linkedin






Referências:

http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/companhia-vale-do-rio-doce-cvrd

http://www.vale.com/brasil/pt/aboutvale/book-our-history/paginas/default.aspx