• LMF São Carlos

BDR

Você já pensou em investir em gigantes como Apple, Nike, Tesla e MasterCard? Esse tipo de investimento, que já era possível para pessoas jurídicas e investidores qualificados, agora pode ser feito também por pequenos investidores. Em outubro, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) tornou acessível para todos os brasileiros os Brazilian Depositary Receipts (BDRs), e com eles podemos finalmente nos expor a mercados globais sem precisar tirar o dinheiro do Brasil. Quer entender mais sobre as BDRs? Fique ligado nesse Explicaê!


O que são as BDRs?

Beleza, já entendemos que agora qualquer pessoa pode comprar uma BDR, mas o que elas são exatamente? As BDRs são títulos negociados na bolsa de valores brasileira (B3) que representam ações de empresas estrangeiras. De maneira simplificada, elas funcionam assim: uma instituição financeira compra várias ações no exterior e as deixam bloqueadas para servir de lastro para as BDRs que serão emitidas para nós aqui no Brasil. Isso significa que ao comprar uma BDR você está se tornando sócio, mesmo que de maneira indireta, de uma empresa no exterior, e terá direito aos dividendos distribuídos pela companhia além de usufruir da sua evolução de preço ao longo do tempo.

A essa altura do campeonato você já deve ter percebido o quanto as BDRs representam uma evolução para o mercado de capitais brasileiro, pois facilitaram bastante o acesso do pequeno investidor aos mercados internacionais. Para se ter uma ideia, o mercado de renda variável brasileiro representa não mais que 2% do mercado global, o que nos mostra que ao alocar capital apenas no Brasil estamos restringindo bastante o nicho do nosso investimento (Lembre-se da importância da diversificação!). Sabendo de tudo isso, você pode se perguntar: adquirir BDRs é o mesmo que investir diretamente no exterior? É isso que vamos explicar agora.


BDR x Investir no Exterior


Muito embora as BDRs acompanhem a variação dos seus ativos correspondentes lá fora e tenham seus preços atrelados ao dólar, elas não são investimentos no exterior, e existem algumas diferenças práticas entre esses ativos e um investimento direto na bolsa de valores americana. Nosso intuito aqui é mostrar algumas vantagens e desvantagens de cada modalidade de investimento para que você consiga escolher o que faz mais sentido de acordo com o seu perfil.

Fonte: Pixabay


Como dito anteriormente, a BDR é um investimento nacional, e consequentemente está sujeito a todas as normas brasileiras. Isso traz uma certa praticidade para nós investidores, pois podemos negociá-las através da mesma corretora a qual já estamos habituados, além da tributação ser semelhante a de ações. Essa vantagem, entretanto, pode ser vista por alguns como ponto negativo, pois seu patrimônio estará integralmente exposto à legislação de um só país, que pode ser alterada em casos extremos.

Além disso, as BDRs possuem uma vantagem de custo, na maioria dos casos, relevante sobre os investimentos diretos em ações americanas, pois nessa, o IOF cobrado na transferência para o exterior e o spread cambial podem comprometer um pouco a rentabilidade do investimento, especialmente quando feito com pouco dinheiro. Por outro lado, ao investir diretamente no exterior, o investidor é capaz de diversificar muito mais a sua carteira, pois o número de ativos que compõem a bolsa americana é muito maior do que o número de BDRs. Outro ponto positivo do investimento direto nas ações do exterior, principalmente para quem tem o foco em recebimento de proventos, é a menor taxação dos dividendos, pois 5% de toda a distribuição de lucros das empresas fica com a instituição emissora dos títulos do Brasil.


Conclusão


A liberação das BDRs representa uma grande evolução para o mercado brasileiro, à medida que a onda de novos investidores estão aprendendo a importância de estudar e se expor não só ao mercado doméstico. Entender o valor de investimentos globais é fundamental para a saúde financeira de qualquer investidor, e esperamos que com esse Explicaê você tenha aprendido um pouco mais sobre o tema!



Escrito por: Matheus de Brito Soares Porto.