Guia básico para determinar a viabilidade de um investimento ou projeto

Atualizado: Jul 6


Guia básico de como saber se um investimento/projeto vale a pena

Nesse Explicaê decidi explicar o básico sobre Project Finance, termo utilizado para o estudo de viabilidade de projetos e investimentos. Com esse conteúdo você saberá como descobrir se, por exemplo abrir uma franquia ou uma loja nova vale a pena, ou se comprar uma máquina nova para seu negócio vai ser lucrativo. Também acredito que esse conteúdo possa ser utilizado em diversas áreas da vida, pois vai te ajudar a entender conjunturas político-econômicas atuais e passadas e a tomar decisões diárias de como você deve utilizar o seu dinheiro.

Para introduzir esse assunto, é necessário passar por alguns conceitos básicos que irei utilizar mais pra frente, se você já está familiarizado com eles, sinta-se à vontade para pular para a próxima sessão. Eles são:

  1. Selic

Temos um Explicaê que fala sobre esse tópico, você pode acessá-lo clicando aqui. Mas resumidamente podemos pensar em Selic como a taxa que podemos investir nosso dinheiro sempre que quisermos.

Hoje ela está em 2,25% ao ano, ou seja, você pode investir seu dinheiro a 2,25% ao ano instantaneamente sem correr quase nenhum risco.

  1. Taxa Mínima de Atratividade (TMA)

Podemos pensar na TMA como a menor taxa que você aceitaria receber ao investir, por exemplo, se um investimento em uma Loja de Roupa te dá 2% ao ano, e a Selic (um investimento fácil e prático de se fazer) te da 2,25% ao ano, faz mais sentido você deixar investido na Selic do que se aventurar em investir nessa Loja de Roupa, certo?

De maneira prática, tudo que estiver abaixo da Selic, não valerá a pena investir, pois a Taxa Mínima que se cobra ao investir é a Selic. Portanto, podemos pensar que para investimentos que não sabemos quando vai acabar, a Selic é utilizada como TMA.

Já para investimentos longos com data de validade definida (exemplo: vou investir em um projeto que dura somente 10 anos), podemos utilizar os Pré-Fixados como TMA, pois eles também tem uma taxa definida durante um período longo de tempo. Por exemplo, se um Pré-Fixado de 10 anos de duração está a 7% ao ano, eu não aceitaria um projeto de 10 anos que rendesse menos que isso.

  1. Valor do Dinheiro no Tempo

A teoria do valor do dinheiro no tempo, nos mostra que os mesmos 1 real tem um valor diferente em cada momento no tempo.

Podemos pensar em como as coisas ficam mais caras a medida que o tempo passa (efeito chamado de Inflação). Gosto de usar o exemplo do Kinder Ovo, pois muitas pessoas da minha geração se identificam: O kinder ovo a uns 10 anos atrás era a sensação da época, sempre que eu ia no supermercado eu comprava um, e na época era uma coisa bem normal, pois ele custava cerca de 2 reais. Hoje em dia se formos em um supermercado veremos que ele custa cerca de 8 reais. O que aconteceu?

Podemos ver nesse fenômeno, que os mesmos 2 reais de antigamente, valem hoje 8 reais em termos de Kinder Ovo e por mais que seja um exemplo bem específico, isso acontece para diversos produtos no mercado e para diversos serviços.

Entendi, mas então conhecendo esses conceitos, como saber se meu investimento vale a pena ?

Para sabermos se o seu investimento vale a pena teremos que calcular primeiro quanto que esse investimento rende e após isso teríamos que comparar essa taxa com a de outros tipos de investimento que você tem disponível (TMA), a maior taxa será a melhor decisão de investimento. E por mais que o cálculo pareça um assunto simples, muitas pessoas se confundem na hora de fazê-lo. Por exemplo:

Se você investir 100 reais na compra de um carrinho de pipoca, e ganhar de lucro 40 reais ao ano. Quanto que é o seu rendimento?

Se a sua resposta foi 40% ao ano, ela está errada. Isso acontece pelo conceito que nós vimos de Valor de Dinheiro no Tempo, ou seja, os mesmos 40 reais hoje pode ser diferente daqui a 1 ano, o que faz com que a taxa seja diferente.



Se olharmos para essa imagem por exemplo, podemos ver que R$ 40,00 daqui a 1 ano, na verdade valeriam R$ 39,12 hoje, se olharmos daqui a 2 anos, valeria R$ 38,26 e assim por diante. Tudo bem se não entendeu a imagem, o ponto que eu queria chegar é somente o do efeito do Kinder Ovo que foi citado acima, que a medida que passa o tempo, o dinheiro vale menos e isso faz com que seja necessário outra abordagem na hora de calcular a taxa.

Certo, então como eu calculo a taxa exata?

Para calcularmos essa taxa usaremos uma fórmula que se chama Taxa Interna de Retorno, também abreviada por TIR ou por IRR (em inglês). Como o cálculo dessa fórmula é complexo, mostrarei como se faz no Google Planilhas:

Primeiramente se deve colocar a Taxa Selic em uma das células da planilha. Após isso faremos uma linha com o número de anos ou meses e em outra o que chamamos de Fluxo de Caixa, sendo a primeira célula o valor que você investiu (sempre negativo) e após isso os seus recebimentos. No caso do carrinho de pipoca:



Após isso, iremos inserir a fórmula IRR abrangendo os recebimentos (como o google planilhas é em inglês temos que usar esse termo, mas ele significa TIR):




Após apertar enter, teremos:



Assim, podemos ver que pelo primeiro cálculo simplista, a Taxa de Retorno do Projeto daria 40% ao ano, e calculando de acordo com o Valor de Dinheiro no Tempo, ela deu 28,65%. Uma diferença bastante considerável, né?

Ok, mas como vou saber se é um investimento bom?

A questão agora fica muito mais simples, para saber se é um bom investimento, você tem que considerar quais são suas outras opções, ou seja, qual é sua TMA. Se você está entre abrir uma pastelaria e uma sorveteria, teria que calcular a TIR dos dois tipos de projeto e ver qual é maior. Assim, o maior TIR seria o mais viável.

Se você não tem outro projeto disponível, você pode estabelecer a Selic como sua TMA, ou seja, se sua TIR for maior que a Selic, vale a pena investir nesse projeto novo. De maneira simples:

Se TIR > TMA : O projeto vale a pena.

Se TIR < TMA : O projeto não vale a pena.

Concluindo, podemos ver a importância de ser utilizada a TIR ao invés de simplesmente calcular a rentabilidade sem considerar o valor do dinheiro no tempo, e também vimos como saber se o investimento vale a pena ou não. Gostaria somente de ressaltar que a TIR é uma das abordagens possíveis de análise de viabilidade, e nela existe limitações, como por exemplo, o cálculo da TIR só funciona se o projeto for minimamente lucrativo no tempo. Se você gostou do tópico e quer se aprofundar mais, recomendo o estudo de Valor Presente Líquido.

Curiosidade

Vou terminar aqui com uma curiosidade histórica, pois como falei que isso te ajudaria a entender conjunturas político-econômicas passadas e presentes, então queria dar um exemplo do por quê.

É nos ensinado na escola sobre o período da abolição da escravatura no Brasil, e muito se fala do quesito social de tal feito. Mas pesquisadores que se debruçaram mais para entender os debates econômicos desse tema e concluíram que talvez os motivos desse feito não fossem puramente sociais. No texto “FHC errou? A economia da escravidão no Brasil meridional” de Leonardo M. Monasterio (2005) ele mostra os motivos econômicos por trás desse feito.

De acordo com o gráfico de sua tese (Gráfico 1), podemos ver que a TIR de contratação de um escravo para produção de charque foi decaindo com o tempo, e após 1876 se tornou quase nula. Já no Gráfico 2, podemos ver que a rentabilidade da contratação de mão de obra assalariada (representada pela linha fina do Gráfico 2) superou a rentabilidade da mão de obra escrava (representada pela linha grossa do Gráfico 2). Por isso quando comparada a TIR de contratação de mão de obra assalariada, a abolição da escravatura se torna viável em termos econômicos.

Gráfico 1 - Taxa interna esperada da escravidão nas charqueadas gaúchas (1838-1884).


Gráfico 2 - Estimativa da rentabilidade da mudança do trabalho cativo para o trabalho livre (1838-1884).

Com isso podemos ver que análises financeiras nos ajudam a entender também a história e desenvolvimento do nosso país, assim como alguns dos verdadeiros motivos de decisões tão importantes para nossa história.


Autoria: Lucas D'Angelo Marcondes Severi (LMF São Carlos - USP e UFSCar)

Data de publicação: 04/06/2020

89 visualizações

LMF São Carlos © 2014-2020 todos os direitos reservados