Caso de sucesso: Amazon

A Amazon, ou Amazon.com, é uma empresa multinacional criada por Jeff Bezos em 5 de julho de 1994. Tudo começou com a criação de um marketplace para venda de livros online e que hoje se expandiu para diversos negócios como eletrônicos, software, vestuário, mobília, alimentos, brinquedos, entre outros. Essa evolução de escopo fez com que a empresa passasse o Walmart, em 2015, como o varejista mais valioso do mundo por Capitalização de Mercado (termo que se refere à quantidade de dinheiro necessária para se comprar todas as ações emitidas de uma empresa ao preço atual de mercado).

Antes de mostrar a trajetória que levou a Amazon a ser uma das empresas mais valiosas do mundo, vou mostrar alguns dados obtidos num artigo da BBC sobre a operação da empresa.




Figura 1 – Principais dados da Amazon, do ano de 2018.




O que pode ser visto na Figura 1 é que a empresa teve um grande sucesso em se tornar a líder em diversos setores nos quais ela participa, a inovação da empresa conseguiu ter um efeito importante nos seus resultados financeiros. Mas para alcançar esse patamar a Amazon teve um grande crescimento desde o seu lançamento no meio da década de 1990 e a seguir vou mostrar os principais eventos que modelaram a empresa para o que a gente conhece hoje.



1995: Venda de livros online

Originalmente a empresa se chamaria Cadabra, palavra que veio de Abracadabra, mas um conselho, de seu advogado que achou o nome muito parecido com “Cadaver”, ou Cadáver em português, fez Jeff Bezos mudar de ideia e procurar por outro nome, depois de uma pesquisa usando um dicionário ele encontrou Amazon, e por querer que a empresa se tornasse a maior loja online do mundo escolheu o nome de um dos maiores rios do mundo, o Rio Amazonas.


Num primeiro momento Jeff Bezos sabia que ele queria montar uma varejista virtual, mas não tinha certeza do que vender, depois de alguma análise ele decidiu por vender livros, pois eram mais fáceis de encontrar, empacotar e distribuir. O modelo que a Amazon criou desde o seu início a diferenciou da concorrência da época pois a empresa buscava fornecer uma plataforma que fizesse as entregas de seus produtos diretamente no endereço do cliente, em qualquer lugar do mundo.


O grande objetivo da Amazon desde o seu início era simplificar transações online para seus clientes, no começo isso foi feito com livros, mas hoje é possível ter a conveniência da plataforma para consumir diversos produtos ou serviços disponíveis pela empresa.



1999: Se torna a maior plataforma de venda online do mundo.

No final da década de 1990 a Amazon passou a diversificar seu escopo passando a vender músicas e DVDs. Porém essa expansão não parou por aí e a empresa incluiu na sua plataforma eletrônicos, brinquedos e utensílios de cozinha. Esse crescimento foi sustentado pelo aumento da rede de depósitos e pela compra de livrarias online no Reino Unido e na Alemanha, permitindo a expansão internacional de seus serviços.



2005: Entrada no setor de tecnologia

Porém foi no meio dos anos 2000, com o lançamento do Amazon Web Services (AWS), que a empresa entrou no ramo de tecnologia, diversificando o seu core business de comércio online. Em 2006, somaram ao Amazon Web Services o Elastic Compute Cloud (EC2) e o Simple Storage Service (S3) que hoje são os maiores contribuidores de lucro para a empresa, ultrapassando até a divisão de varejo.

Junto com à tendência da entrada no ramo de tecnologia, a Amazon viu uma forma de melhorar o seu serviço de delivery para clientes fiéis, assim foi criado o Amazon Prime, em 2005, que tinha por objetivo oferecer uma entrega mais rápida para alguns itens selecionados. Hoje são mais de 100 milhões de usuários desse serviço, que inclui streaming de músicas e de vídeos e é o segundo maior programa de membership do mundo, perdendo apenas para o Netflix como mostra a Figura 2.

Figura 2 – Amazon tem o segundo maior número de inscrições pagas (2018).



2007: Lançamento do Kindle

Apesar de ter diversificado o escopo do seu negócio, a Amazon continuou sendo a maior vendedora de livros online do mercado americano, e isso pode ser visto na Figura 3 que mostra a comparação do número de vendas de livros online e ebooks entre a Amazon e a sua concorrência. Quando se popularizaram os ebooks a empresa viu mais uma oportunidade de negócio, e assim foi criado o Kindle em 2007 que se tornou o líder global do setor.

Figura 3 – Amazon é a maior vendedora de livros nos EUA (2018).



Com a criação do departamento de Smart Devices a empresa passou a competir diretamente com Apple e Google, dois grandes players do setor, porém isso não impediu que a Amazon fosse a primeira a lançar um smart device, o Echo speaker, com sua própria inteligência artificial, a Alexa. Na Figura 4 é possível perceber a importância dos ebooks para a empresa.

Figura 4 – Amazon é a terceira maior vendedora de smart devices nos EUA (2018).



Hoje: Novos desenvolvimentos e liderança em outros segmentos.

Com o AWS, a Amazon passou a fornecer serviços para empresas, agências de governo e instituições acadêmicas o que a permitiu ter mais que um terço do mercado de computação em nuvem em 2018, sendo esse market-share duas vezes maior que o seu segundo competidor: Microsoft, que possui um serviço parecido com o produto Azure.


Recentemente, além do mercado que os serviços de armazenamento em nuvem vêm conquistando, a empresa tem dado bastante incentivo para vender espaço para propagandas e comerciais, podendo ser um futuro competidor do Google e Facebook.


Somando a isso também foram feitos diversos novos investimentos focando principalmente em negócios relacionados com o core business da empresa como é o caso de delivery e logística. Porém a empresa fez também outros investimentos na área médica, com a compra da PillPack, uma empresa que entrega remédios em pacotes que ajudam os clientes a lembrar quando devem tomá-los; na área de condução autônoma, com o investimento na Aurora, que poderá ajudar a Amazon a diminuir os U$27 bilhões de custos de entrega que a empresa teve que pagar em 2018 por exemplo; na área de veículos elétricos, com o investimento na Rivian; na área de transporte aéreo, com a criação da Amazon Air, que já conta com 50 aviões, com o objetivo de diminuir a dependência da UPS e FedEx; na área de satélites, com o Projeto Kuiper, de forma a aumentar o acesso a internet de alta velocidade mundialmente e na área de delivery de comida, com o investimento na Deliveroo.

Portanto, a Amazon é uma grande empresa e uma das únicas a ter passado o valor de mercado de um trilhão de dólares na história, apenas Apple, Microsoft e Alphabet alcançaram tal patamar.


No começo muitos não confiavam no seu crescimento e acreditavam que as grandes livrarias iriam acabar ganhando o mercado que a Amazon buscava dominar, porém isso não foi confirmado principalmente por conta da agressividade com a qual a empresa criou negócios inovadores e disruptivos, mudando profundamente a forma que o mundo consome, e ao mesmo tempo investindo em outros setores fora do seu core business.


A estratégia de Jeff Bezos vem dando muito certo, e mesmo com a desaceleração da receita do core business da empresa, nos últimos anos, ainda existe muito espaço para crescimento nos diversos setores que a Amazon vem investindo.



Autoria: Gabriel Blanco (LMF São Carlos - USP e UFSCar)



Fontes:

PALUMBO, Danielle. Amazon at 25: The Story of a Giant. BBC, 5 de Julho de 2019. Disponível em: < https://www.bbc.com/news/business-48884596>. Acessado em 13/07/2020.


McFadden, Christopher. A Very Brief History of Amazon: the Everything Store. Interesting Engineering, 2 de Novembro de 2019. Disponível em: <https://interestingengineering.com/a-very-brief-history-of-amazon-the-everything-store>. Acessado em 13/07/2020.


DePillis, Lydia e Sherman, Ivory. AMAZON’S EXTRAORDINARY 25-YEAR EVOLUTION. CNN, 5 de Julho de 2019. Disponível em: <https://edition.cnn.com/interactive/2018/10/business/amazon-history-timeline/index.htm>. Acessado em 13/07/2020.


Reiff, Nathan. How Amazon Makes Money. Investopedia, 9 de Dezembro de 2019. Disponível em: <https://www.investopedia.com/how-amazon-makes-money-4587523>. Acessado em: 13/07/2020.


Feiner, Lauren. Amazon is spending billions on internet satellites, self-driving cars and more as revenue growth slows. CNBC, 19 de Maio de 2019. Disponível em: <https://www.cnbc.com/2019/05/17/amazon-makes-several-start-up-investments-revenue-growth-slows.html>. Acessado em: 13/07/2020.


113 visualizações

LMF São Carlos © 2014-2020 todos os direitos reservados