Explicaê 5.7 - Opções Reais


1. Conceitos Importantes

a) O que é uma opção financeira?

Uma opção é o direito de comprar ou vender uma quantidade específica de um bem ou um ativo por um preço fixo em uma determinada data pré-fixada ou até esta data. A opção é um direito e não uma obrigação, isso gera uma vantagem ao proprietário da opção, pois ele pode optar por exercer a opção apenas quando a oscilação de preço for benéfica a ele.

Existem dois tipos de opções, as Europeias, que só podem ser executadas na data de vencimento, e as americanas, que podem ser executadas por todo o período até a data de vencimento.

Opções de compra: uma opção de compra (call) é o direito do detentor da opção comprar o bem ou ativo pelo preço prefixado em uma data futura. Os ativos podem ser variados: ações, contrato futuro de uma firma, commodities, etc.

Opção de venda: uma opção de venda (put) é o direito ao proprietário da opção vender o bem ou ativo pelo preço prefixado e na data futura. Neste caso, a opção de venda tem valor quando o preço do ativo objeto for menor do que o preço de exercício.

A opção de compra tem uma grande importância devido a sua analogia com uma oportunidade de investimento. Já a opção de venda pode ser pensada como um seguro, pois o detentor da opção, que também detém a ação, limita as suas perdas. Assim, caso o valor da ação caia, pode-se exercer a opção e vender a ação por um preço pré-determinado como o mínimo adequado.

2. Explicação Técnica

a) O que é uma opção real?

As opções reais são uma analogia as opções financeiras, segue um exemplo retirado de um artigo da PUC-Rio sobre o tema: “uma firma com uma oportunidade de investimento irreversível carrega uma opção de investir no futuro (ou de esperar); ela tem o direito – mas não a obrigação – de comprar um ativo (o projeto) no futuro, a um preço de exercício (o investimento). Quando a firma investe, ela exerce a opção e paga um custo de oportunidade igual ao seu valor. O exercício da opção (o investimento) é irreversível, mas a firma sempre tem a possibilidade de preservar o valor de sua opção (adiar o investimento) até que as condições de mercado se tornem mais favoráveis.”

A tabela a seguir mostra a relação entre opção financeira e opção real (oportunidade de investimento):


b) Porquê existem as Opções Reais?

Determinar a viabilidade e a prioridade de investimentos potenciais é um passo crítico na tomada de decisões gerenciais, as quais são tomadas em ambientes incertos. Estas incertezas podem representar um custo elevado, mas também podem criar oportunidades de valor elevado para os investidores. Diversos fatores determinam o surgimento dessas incertezas (como as condições do mercado) e o gerente responsável pela tomada de decisões deverá acompanhar a evolução do mercado para assim realizar mudanças nos planos de investimento. Os atuais métodos de avaliação de investimentos, como o valor presente líquido e o fluxo de caixa descontado não são capazes de “incluir” essas variações do mercado, pois levam em conta um valor de previsão fixo. Em procedimentos deste tipo, existe forte tendência a valorizar excessivamente a aversão ao risco. Neste sentido estes métodos subestimam sistematicamente todo projeto.

c) Quais os tipos de Opções Reais?

Opção de abandono: Existem dois tipos de opções de abandono:

- Opção para desistir quando a construção estiver em curso: na grande maioria dos projetos, o investimento necessário não se concentra em uma única despesa inicial, ele é fracionado. Exemplo: no caso da exploração de reservas de petróleo, quando as respectivas reservas ou os preços do petróleo se tornarem tão baixos que não justifiquem a continuação desse projeto de investimento. Desta forma, cada fase do investimento em questão pode ser vista como uma opção sobre o valor das fases subsequentes.

- Opção para abandonar pelo valor residual: quando o funcionamento do projeto se torna prejudicial por qualquer motivo, a gerência não precisa continuar a incorrer com os custos fixos desse investimento. Nesta situação, a gerência poderá possuir uma valiosa opção de abandono por completo do investimento, em troca do seu valor residual encontrado no mercado secundário, através do preço de revenda dos equipamentos e/ou outros ativos do investimento.

Opção de fechamento temporário:

A flexibilidade para fechar a produção temporariamente, ou de não funcionar por completo em qualquer período de vida do projeto, torna-se valiosa se as receitas não forem suficientes para cobrir os custos variáveis de funcionamento nesse período. Assim, em um dado momento, a gerência pode continuar com a produção e obter a diferença entre as receitas e o total de custos de funcionamento, ou então fechar e somente pagar os custos fixos associados ao projeto nesse momento.

Opção de troca de um conjunto por outro:

Imagine uma máquina que converte um produto em outro. Neste caso, a empresa que compra a máquina adquire a oportunidade de comprar a mercadoria de entrada, convertê-la e vender a mercadoria de saída - desde que seja rentável fazê-lo. Se não for rentável, a empresa não precisa exercer a opção. Essa flexibilidade, permite à gerência selecionar o valor máximo do projeto no seu uso atual ou no seu melhor uso alternativo.

Estas opções de flexibilidade consistem em uma carteira de opções de compra e venda, e um dos exemplos mais interessantes é constituído por uma planta industrial flexível que pode produzir dois produtos diferentes.

Opção de Crescimento Futuro:

A maior parte dos investimentos iniciais podem ser vistos como pré-requisitos ou como elos em cadeias de projetos inter-relacionados. O valor destes projetos iniciais resulta também das futuras oportunidades de crescimento (que poderão desencadear).

Mesmo quando o projeto aparenta ter um Valor Presente Líquido negativo, a infraestrutura, experiência e potencial de geração de subprodutos obtidos durante o desenvolvimento da primeira geração do produto, podem servir como fatores impulsionantes para novas gerações de produto, com maior qualidade e custos reduzidos, possibilitando lucros. Porém, isso só pode ocorrer se a empresa realizar o investimento inicial.

Opção de Expansão:

Uma vez efetuado um determinado projeto de investimento, a gerência possui a flexibilidade de alterá-lo de várias formas, em diferentes momentos.

A opção de expansão pode ser de importância estratégica, especialmente se permite à empresa explorar oportunidades futuras de crescimento. Esta opção, que será exercida somente se desenvolvimentos futuros do mercado se tornarem favoráveis, pode tornar um investimento inicial, aparentemente não lucrativo, num investimento que mereça ser realizado.

Esta opção é similar a uma opção de compra de tipo americano para adquirir uma parte adicional (x%) do projeto, exigindo o custo de acompanhamento (IE) como preço de exercício. Neste sentido, a oportunidade de investimento com uma opção de expansão pode ser pensada como o projeto de escala inicial, V, mais uma opção de compra num investimento futuro, isto é, V+max (xV-IE, 0).

Opção para Contrair:

Inverso a Opção de Expansão, se as condições de mercado se tornarem desfavoráveis, a gerência pode decidir funcionar abaixo da capacidade ou mesmo reduzir a sua escala de operações, guardando parte das despesas do investimento planejado. Ao invés de uma opção de compra do tipo americano, a Opção para Contrair é análoga a uma opção de venda do tipo americano sobre parte (c%) do projeto (título), com um preço de exercício igual aos potenciais custos poupados (IC), dado o Max(IC-cV, 0).

3. Fontes Utilizadas

https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/5656/5656_3.PDF

http://www.cavalcanteassociados.com.br/utd/UpToDate104.pdf

4. Material Extra

As opções reais podem ser avaliadas matematicamente, porém, elas exigem cálculos avançados, para os interessados, segue um link com dois métodos para esse tipo de avaliação: Avaliação de opções reais

Exemplo prático: Campo de petróleo


26 visualizações

LMF São Carlos © 2014-2020 todos os direitos reservados